segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

O PRESIDENTE JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS É O ÚNICO QUE NÃO QUER DIALÓGO COM A “QUESTÃO DA LUNDA”


O PRESIDENTE JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS É O ÚNICO QUE NÃO QUER DIALÓGO COM A “QUESTÃO DA LUNDA” DE ACORDO COM ALGUNS DIRIGENTES DO MPLA E DO EXECUTIVO ANGOLANO, que nos confidênciaram estas informações...

Alguns dirigentes do MPLA e do Executivo Angolano, confidenciaram a Comissão do Manifesto Jurídico Sociológico do Protectorado da Lunda Tchokwe, que Sua Excelência Eng.º José Eduardo dos Santos, Presidente da República e Chefe do Governo de Angola é a única entidade que não quer dialógo, sobre a “QUESTÃO DA LUNDA”.
De acordo com estas mesmas fontes, “até o comité de especialidade de Jurístas do MPLA, já terá aconselhado o Senhor Presidente para a necessidade de um dialógo, já que o mesmo Presidente, durante a guerra com a UNITA, sempre defendeu o dialógo e não a violência, como forma de resolução de conflitos internos, se não fosse assim, até Cabinda já teria Paz faz anos... – Também por causa do vosso Manifesto Reivindicativo, alguns Dirigentes do nosso Partido (MPLA), que mostraram-se solidários, acabaram sendo exonerados ou relegados ao segundo plano” - disse a nossa fonte.
Estas mesmas informações, são coroborado por algumas altas patentes das FAA, da Policia Nacional e dos Serviços de Inteligência, contactadas pela CMJSPLT, que não encontram crime sobre a Reivindicação da Autonomia Administrativa e Financeira da Lunda, nos termos Jurídicos de Protectorado da “Questão da Lunda 1885-1894-1975” , pediram-nos anonimado, estes vão ainda mais longe,...”Vocés sabem que o Senhor Presidente, é uma pessoa que não escuta opiniões dos seus assessores, excepto, pessoas de sua total confiança, qualquer conselho vindo de outras pessoas, com outra visão, pode custar a exoneração, vocés os Lundas sabem disso muito bem, embora tenham razão na vossa questão, e estarem a agir muito bem sem violência.., meus irmãos, tenham só paciência, tudo tem o seu tempo”, - rematou a nossa fonte policial e das FAA.
Varias opiniões de solidariedade da sociedade civil angolana, diverge no mesmo caminho, apresentando o Presidente da República como sendo a única entidade de Angola, não favorável ao dialógo, por causa do seu silêncio absoluto sobre o assunto, que tanto diz respeito a soberania Nacional.
Sabe-se que, o Senhor Presidente já havia feito algumas consultas, com alguns filhos da Lunda, membros do seu executivo ou no Partido, e consta que, estes não forneceram informações que ajudasse o Presidente, a reflectir melhor sobre a “Questão Reivindicativa”, aliás um tema que nasceu em 1951 com a fundação do ATCAR, que queria renegociar o Protectorado da Lunda, quando o Governo de Portugal viu-se obrigado a decretar a Lei 8904/1955, que consistia na formação de um Governo-geral próprio e independente do Distrito da Lunda, face ao Governo-Geral da Província ultramarina de Angola.
Um Jurista de um país Africano amigo de Angola, que integrou a Delegação do seu país na reunião de Kampala no Uganda durante o més de Julho de 2010, onde o Presidente Angolano, participou com uma alta Delegação do seu executivo, em conversa com os nossos representantes na Europa, disse-lhes que - “ Toda Africa, hoje sabe que Angola é um país corrupto, é um país sangrento, é um país totalitário, onde o povo não tem voz, e não posso imaginar que vocés Lundas, estejam a Reivindicar a vossa Autonomia Administrativa bem junto do Presidente mais temível de momento em Africa,...Não acrédito, que ele venha aceitar de animo leve esta vossa legitima defesa, por causa de alguns jogos de interesses economicos daquela Região, que são bem conhecidas mundialmente - nós, nos interessa é o dinheiro, já que o Senhor Presidente Eduardo dos Santos quer ser o Homem mais forte, precisa de apoios internacionais e o maior doador de Africa”, para depois fazer algumas considerações importantes do papel de Angola, da sua economia e da sua ascensão em Africa, no mundo e na região da SADC.
Em relação as prisões e possível julgamento sobre membros do Manifesto detidos nas cadeias do Governo, á mais de 530 dias, as mesmas fontes são de opinião unanime, as de que tudo depende do Presidente José Eduardo dos Santos, - “Aqui neste país, não existe Lei, nem tribunais, se o Senhor Presidente não ordenar, não conhecemos momento algum, em que os Tribunais, os Juizes em situações delicadas, tivessem tomado alguma iniciativa sem consultar o Chefe do Executivo, parece que nem estudaram o direito, e nem conhece as Leis que eles próprios produzem” – concluiram as fontes.